Dicas de escrita de um dos maiores escritores de todos os tempos


garcia_marquezVencedor do Prêmio Nobel de Literatura em 1982, Gabriel García Márquez é uma lenda viva da literatura. Entre seus maiores feitos está o livro Cem anos de solidão, com sua apaixonante família Buendía e a cidade de Macondo; além de Crônica de uma morte anunciada, cuja declaração de que o personagem irá morrer está na primeira frase; entre outras obras que são grandes clássicos da literatura de língua espanhola e mundial.

Mas além de escritor genial, o colombiano também dedicou seu tempo ao “pensar literário”, à reflexão de sua própria escrita – embora sempre de forma despojada e agressiva, sem perder sua latinidade.

 

 

 

 

Aí vão 12 conselhos de Gabriel García Márquez:

  1. Uma coisa é uma história longa, e outra, uma história alongada.
  2. Um escritor pode escrever o que lhe agrada, sempre que acreditar naquilo.
  3. Não acredito no mito romântico de que o escritor deve passar fome, deve estar fodido, para produzir.
  4. É mais fácil capturar um coelho que um leitor.
  5. O fim de uma história deve ser escrito quando se está na metade.
  6. Você tem que começar com a vontade de que aquilo que vai escrever será a melhor coisa que já escreveu, pois sempre fica algo desta vontade.
  7. Quando o escritor se entedia escrevendo, o leitor se entediará lendo.
  8. Não devemos obrigar o leitor a ler uma frase de novo.
  9. O leitor lembra mais como termina um artigo do que como começa.
  10. Se escreve melhor havendo comido bem e com uma máquina elétrica.
  11. O dever revolucionário de um escritor é escrever bem.
  12. Durante muito tempo me aterrorizou a página em branco. A via e vomitava. Mas um dia li o melhor que se escreveu sobre essa síndrome. Seu autor foi Hemingway. Disse que se há de começar, e escrever, e escrever, até que de repente se sente que as coisas saem sozinhas, como se alguém as ditasse ao ouvido, ou como se quem as escreve fosse outro. Tem razão: é um momento sublime.

Se você procura mais dicas de escrita de Gabriel García Márquez, uma boa pedida é o livro Como escrever um conto, no qual foi transcrita uma oficina de roteiro ministrada por Gabo em Cuba – inclusive, recentemente, saiu no blog da Companhia das Letras o testemunho de uma escritora brasileira que participou de uma destas oficinas.

Mas diz aí, qual a dica mais útil para você?

Artigo originalmente postado no Portal Homoliteratus.